CONTEÚDO SÓLIDO

O estado sólido é um estado da matéria, cujas características são ter volume e forma definidos (isto é, a matéria resiste à deformação). Dentro de um sólido, os átomos ou as moléculas estão relativamente próximos, ou "rígidos". Mas isto não evita que o sólido se deforme ou comprima. Na fase sólida da matéria, os átomos têm uma ordenação espacial fixa, mas uma vez que toda a matéria tem alguma energia cinética, até os átomos do sólido mais rígido movem-se ligeiramente, num movimento "invisível".

Quando eu era criança


Perdoe minha ignorância, mas quando eu era criança os palhaços eram mais coloridos, mais engraçados, aliás, tudo era mais colorido e mais engraçado.
Que saudade eu tenho dos tempos de infância, quando eu só chorava por ralar o joelho, mas nada que um metiolate não pudesse curar, agora nem metiolate existe mais, pelo menos aqui em casa.
Acordava cedo pra aproveitar meu tempo, assistia desenho, desenhava, andava de bicicleta, corria, jogava bola, comia um pacote inteiro de bolacha recheada.
Que saudade dos tempos de infância, eu não tinha uma espinha, não me importava como estava meu cabelo, eu só queria me divertir.
Comia qualquer coisa, batata frita, brigadeiro, eu não tinha medo de engordar.
Cantava e dançava sem ter medo de errar a letra ou os passos. Cantava inglês, espanhol, italiano, dependia da música, errando ou não, nada importava.
Andava na chuva, caia de bicicleta, ralava o joelho, mas logo voltava a brincar. Subia em árvores, chupava manga, nem os fiapos podiam me incomodar.
Não pensava na morte, nem ao menos sabia que ela poderia chegar. Não tinha idéia que existia inferno, diabo então, nem tinha ouvido falar.
Tomava sorvete, chupava laranjinha, tomava banho de piscina, sem medo nenhum de gripar.
Pulava corda, amarelinha. Brincava de policia e ladrão, nem imaginava o que era roubar. Brincava de "o mestre mandou", não tinha vaidade, obedecendo ou mandando, eu só queria brincar.
Brincava de estátua mas não conseguia parar.
Brincar era meu ofício, me bastava só começar. Estudar era fácil, era só desenhar e pintar.
A tardezinha me sentava no sofá, com meu pacote de bolacha e assistia tv colosso até acabar.
A noite era só descansar, sem nenhuma preocupação, sabendo apenas que no dia seguinte seria um novo dia e tudo que eu faria era apenas brincar...


Hallelujah


Deuses em forma de homens




Quando o homem começou a esculpir deuses em forma de homens, ele quis se imortalizar.  Fazer dos deuses e até de Deus, sua imagem e semelhança. O domínio e a crueldade presente em todas as religiões humanas, representando a força de um deus criado a sua imagem. O peso do julgo e o medo apavorando os fracos. A submissão daqueles que se drobram frente às estatuas dos homens, dos deuses. E Deus aonde estaria? Certamente bem longe, para não ser confundido com estes que põem cargas e mais cargas e nem uma folha carregam. O que Jesus disse, sobre seu jugo ser suave e seu fardo leve nada traz relação com o jesus desenhado pelos homens. Como houvesse Jesus perdido uma guerra, sua aparencia demonstra tristeza e fraqueza, subjulgado por homens, como até hoje é representado. E dizem como viver, como entender as escrituras, como prosseguir. Nos jogam no céu e no inferno a seu belprazer.

Aonde esta?

Quantos homens feridos, quantas guerras travadas, a dor que hoje sinto fora a dor que sentiram aqueles que por aqui passaram, e tantos passaram por aqui, feriram e foram feridos. A maldade do homem, sua virtude, passaram por aqui, mas aqui ainda está, por todos os lados, homens morrem, homens matam, a guerra está travada nos olhos, nos corações e sangram almas que outrora floresciam, e molham as ruas da vida e mancham e marcam e doem. A dor que sinto agora já fora sentida nesta vida e na vida dos que estão de fora, contudo não é de fora que está a dor, não é fora que está o amor. A dor que dói aqui dentro é aqui dentro que está. E a luz aonde está? A escuridão povoa a terra e a esperança é morte. Por que somos tão maus? Quanta dor causamos. Quantas lágrimas fazemos cair, quantas almas fazemos chorar. Porque ferimos, porque matamos? Porque machucamos quem nem ao menos a existência sabemos? Tiramos deles o que lhe traria o sorriso sem percebermos. Por que passar por aqui e fazer toda essa gente cair. Não é só com a mão que se tira uma vida. Não é só com a mão que se mata. Ferimos sem ao menos tocar a espada. Onde está a virtude? Onde está o bem?