CONTEÚDO SÓLIDO

O estado sólido é um estado da matéria, cujas características são ter volume e forma definidos (isto é, a matéria resiste à deformação). Dentro de um sólido, os átomos ou as moléculas estão relativamente próximos, ou "rígidos". Mas isto não evita que o sólido se deforme ou comprima. Na fase sólida da matéria, os átomos têm uma ordenação espacial fixa, mas uma vez que toda a matéria tem alguma energia cinética, até os átomos do sólido mais rígido movem-se ligeiramente, num movimento "invisível".

.

.



Hoje visitamos uma escola pública e algo em particular chamou minha atenção. Na verdade, “me assustou” seria mais adequado. Estávamos nos preparando pra fazer evangelismo na escola, quando chegamos à quadra de esporte e vimos um grupo de garotas dançando, estavam participando de um projeto da escola. A educação no Brasil tem melhorado muito, afinal. O governo Lula criou diversos projetos que favoreceram a população brasileira tais como PROUNI, Bolsa Família, entre outros. Todavia, o problema da educação do país não se resolverá da noite pro dia, isso exige esforço, e, é claro, apoio da sociedade e principalmente dos pais e educadores.
Ainda na quadra de esporte pudemos perceber que as garotas estavam muito empolgadas com o projeto, iriam apresentar na escola e eu observava seus olhinhos brilhando quando os outros alunos as viam dançar. Contudo, me doeu a alma ver crianças, com seus sete, oito anos dançando funk, o repertório incluia o tão conhecido “créu”, mas as letras eram mais degradantes ainda, faziam apelos sexuais e as garotas dançavam de forma sensual e lamentável, naquele instante eu pensei “e se fossem minhas filhas?”.
Não posso dizer que desconhecia aquela realidade, mas hoje eu vi o quanto fechamos nossos olhos pra ela e fingimos não conhecê-la enquanto ela está a nossa frente, ao nosso lado e pode estar dentro de nossos próprios lares. E não parava por ali, o que mais me assustava era a admiração do professor, aquele educador, ao ver aquelas crianças dançarem, eu até o imagino dizendo “parabéns garotas, a apresentação será linda” e não o estou julgando, mas julgo a mim mesma, por fazer parte da humanidade e do contexto social em que vivo. Digo não apenas como cidadã, mas como serva de Deus, como cristã.
Fingir que a educação no país tem melhorado é mais fácil pra nós, é mais fácil achar que estamos prontos e não temos mais pelo que lutar. Entretanto, a nossa luta é diária, um dia
terei meus filhos na escola, e aquilo que eu não puder ensinar em casa, será na escola que eles irão aprender. Foi naqueles olhares que eu vi o futuro daquelas crianças sendo traçados, ali na escola, onde são formadas, instruídas, onde absorvem seus valores e constroem seus sonhos, suas realidades. No pancadão do créu, eu cri numa outra realidade, que depende de todos nós. Ah! Esqueci-me de um detalhe: o nome do projeto que aquelas participavam era “mais educação”. Talvez era esse o grito desesperado de suas almas naquele instante: MAIS EDUCAÇÃO!
Cássia de Jesus Antunes

Só mais um dia.

.






E hoje é só mais um dia,
mas um dia caminhando descalço na avenida.
O sol continua a queimar minhas costas,
nem ao menos tomei banho hoje,
mas pra que ei de preocupar-me?
Ninguém me vê como gente.
Será que hoje consigo uma quentinha?
Nem sei se comer será possivel.

Ah! Foi neste mesmo dia que nasci,
mas que diferença faz?
Nunca recebi felicitações.
Na verdade, nem documento eu tenho,
nem registro, nem identidade
sou apenas mais um jogado nas ruas,
a pedir e mendigar.

Nunca ouvi aquela palavra que costumam dizer aos aniversariantes:
Parabéns!
Na verdade, sinto-me indigno de ser parabenizado.
Acho que se soubessem o significado deste dia me amaldiçoariam;
a mim não, porque não me cabe mais
mas ao dia em que nasci
ao dia em fui jogado as traças,
ao dia em que caminhei a procura de alimento
e fiz do lixo meu alimento,
fiz das ruas o meu lar
e da geada meu cobertor;
sempre vivendo a mendigar.

Passei frio, passei fome,
mas aqui estou.
Reclamar?
Nem tenho a quem reclamar.
Perdi meus pais foi muito cedo.
E aqui estou.
Quem sabe hoje eu vá me alimentar,
quem sabe, né?!
Sempre há algo lançado nos lixos dos bacanas,
comida quente eu nunca vi,
mas as que me restam me cabem no estômago.
Queria sentir o gosto de um pedaço de bolo
aqueles que vejo nas vitrines.
Realmente deve ser gostoso,
ainda mais que vejo as confeitarias sempre lotadas,
pessoas sorrindo,
casais alegres e de mãos dadas.

Sorrir? Hoje seria dia de sorrir.
Tento tirar de mim um sorriso,
mas como sorrir com tanta fome?
Como sorrir com tanto frio?
Como sorrir com tanta dor?
Como sorrir sem ter amor?




Cássia de Jesus Antunes